fbpx

O que é o Drex? A nova moeda digital do Brasil

30
Drex, a primeira moeda digital do Brasil regulada pelo Banco Central. Entenda seu valor, comparações com criptomoedas, relação com o Pix, e como acessá-la.

O Brasil está preparado para embarcar na nova era da economia digital com a introdução do Drex, a primeira moeda digital do país. Nomeada como uma combinação de “Digital Real X”, o Drex representa uma versão moderna e eletrônica do Real, programada para ser lançada no final de 2024.

Leia mais:

Conceito e Fundamentos do Drex

A inovação por trás do Drex se fundamenta na ideia de um Real Digital, e o nome é uma junção de letras onde “d” e “r” representam o Real Digital, “e” para eletrônico e o “x” para simbolizar modernidade e conexão. Esse “x” também cria uma relação com o Pix, o sistema de transferência instantânea do Brasil, considerado uma espécie de precursor da moeda digital.

O Drex não será apenas uma alternativa digital à moeda convencional, mas oferecerá novos serviços financeiros e facilitará transações significativas, como a compra de propriedades e veículos. Seu formato tokenizado e sua base em blockchain permitirão uma infraestrutura mais segura e regulamentada.

Invista no exterior sem taxas com a Nomad
Marcello Casal Jr - Agência Brasil
Marcello Casal Jr – Agência Brasil

A Valorização do Drex

A valorização do Drex será ligada diretamente ao Real, com uma equivalência de 1 Drex para R$ 1. Essa vinculação é garantida pelo Banco Central e diferencia o real digital das criptomoedas tradicionais, como Bitcoin e Ethereum, cuja volatilidade está associada às forças de oferta e demanda.

Drex e Criptomoedas: A Distinção

Enquanto criptomoedas como o Bitcoin operam independentemente de autoridades monetárias, o Drex será uma moeda oficial do Brasil, com emissão e regulação pelo Banco Central. Essa regulamentação classifica-o como um CBDC (Moeda Digital emitida por Banco Central) e permite que ele se integre às finanças na era da Web 3.0.

Comparando Drex e Pix

Apesar de ambos serem produtos do Banco Central, Drex e Pix têm funções distintas. Enquanto o primeiro é uma moeda digital com valor ligado ao real, o segundo é um mecanismo de pagamento instantâneo. Futuramente, o Drex poderá ser utilizado para realizar transações através do Pix, fortalecendo o ecossistema digital de pagamentos.

Utilidades e Aplicações

O Drex será versátil, permitindo o pagamento de contas e transferências, bem como transações de maior escala, como a compra de imóveis e títulos públicos. Segundo o CEO da C&M Software, Orli Machado, o Drex promete reduzir custos, intermediários e processos, oferecendo mais segurança e mobilidade aos cidadãos brasileiros.

Acessando o Drex

Os usuários poderão acessar o Drex por meio de um depósito bancário tokenizado, mantendo uma carteira virtual em instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central. Ao contrário do Pix, que é um meio de pagamento, o Drex representa a moeda em si, atuando como uma extensão digital do Real, intermediada por bancos e instituições de pagamento.


O Drex marca uma fase importante na modernização financeira do Brasil, com potencial para transformar a maneira como os negócios e transações são conduzidos. Ao combinar a estabilidade do Real com a flexibilidade das tecnologias digitais, o Drex promete abrir novos horizontes no cenário econômico brasileiro. Ainda em fase de testes pelo Banco Central, o Drex está gerando grande expectativa e representa um passo significativo rumo ao futuro financeiro do Brasil.

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More