O que é o Mercado Financeiro

O Mercado Financeiro é uma das partes integrantes do Sistema Financeiro Nacional (SFN).

Suas normas e regras são definidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e, sua fiscalização cabe as entidades supervisoras, o Banco Central (Bacen) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segmentação do Mercado Financeiro
Segmentação do Mercado Financeiro

Mercado Monetário

É o mercado que fornece à economia papel-moeda e moeda escritural, aquela depositada em conta-corrente. Nele que ocorrem as operações de curto prazo.

Esse mercado é estruturado de forma a regular a liquidez da economia como um todo.

Os títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional e negociados através do Tesouro Direto, os CDIs (interbancário) e CDBs e debêntures, são negociados por esse mercado.

Todos os títulos são escriturais e a liquidação de suas operações se dá por intermédio do STR (Sistema de Transferência de Reservas).

Mercado de Crédito

É o mercado que fornece recursos para o consumo das pessoas em geral e para o funcionamento das empresas. Acolhe as operações de financiamento de curto e médio prazos.

É formado principalmente por bancos e outras instituições financeiras, que financiam operações de curto e médio prazos, de consumo corrente e bens duráveis.

Mercado de Capitais

É o mercado que permite às empresas em geral captar recursos de terceiros e, portanto, compartilhar os ganhos e os riscos. Composto das operações de médio e longo prazos, bem como as de prazos indeterminados.

Os valores mobiliários negociados nesse mercado, proporcionam liquidez e capitalização aos títulos emitidos por empresas.

Tem como fim, conduzir os recursos financeiros da sociedade (poupança), para o comércio, indústria, governo entre outras atividades econômicas.

Mercado de Câmbio

É o mercado de compra e venda de moeda estrangeira. Todas as operações de comércio exterior são feitas através da conversão entre as moedas dos respectivos países.

Existem três tipos de câmbio em dólar no Brasil hoje: o turismo, o comercial e o paralelo.

Fontes:

Lucro dos maiores bancos do Brasil cresce em 2018

O lucro dos 4 maiores bancos do Brasil (Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil) cresceu. Esse crescimento foi de aproximadamente 20% de 2017 para 2018, se considerarmos o resultado dos 4 bancos em conjunto.

Lucro dos grandes bancos brasileiros cresce em 2018

Percentual muito acima dos índices da inflação oficial, que ficou em 3,75% em 2018, do CDI (que é a taxa de juros remuneratória da maioria dos investimentos de renda fixa), que ficou em 6,42%, e do crescimento do PIB, em que projeções mostram que deve ter ficado na casa de 1,3% em 2018.

Um destaque para esse aumento foi a receita desses bancos com serviços como a cobrança de tarifas de conta corrente e a anuidade de cartão de crédito.

Dados apontam que o banco Santander foi o que apresentou o maior crescimento nesse setor, enquanto que o Itaú Unibanco foi o que mais faturou com a cobrança por esses serviços.

Você também entrou nessa estatística pagando por serviços como anuidade de conta corrente e anuidade de cartão de crédito? Ou você utiliza conta corrente e cartão de crédito que não cobram anuidade?

Nubank lança serviço de empréstimo pessoal para usuários da NuConta

A partir de hoje, 11 de janeiro de 2019, um novo serviço de empréstimo pessoal é inaugurado no mercado. Trata-se do empréstimo pessoal oferecido pelo Nubank aos usuários da NuConta, que será liberado gradualmente ao logo dos próximos meses.

Com o lançamento desse serviço, a instituição espera se diferenciar na forma de comercializar esse serviço cobrando juros abaixo da média do mercado e de uma forma bastante simplificada.

Dependendo do perfil de cada cliente e da quantidade de parcelas, a taxa de juros irá variar entre 2,1% e 5% ao mês, enquanto que a taxa de juros média do mercado para operações de crédito pessoal sem desconto na folha de pagamento foi de 6,3% ao mês em 2018.

Toda a operação poderá ser realizada a partir do aplicativo do Nubank, onde será possível também fazer simulações do serviço de acordo com o valor requerido, o número de parcelas e a taxa de juros oferecida. Isso tudo de uma forma simples e transparente.

Para pessoas que têm empréstimos em outras instituições financeiras, pode vir a ser uma boa oportunidade de realizar a sua portabilidade, caso a taxa de juros oferecida pelo Nubank seja mais interessante que a taxa contratada na instituição anterior.

O que é o SFN (Sistema Financeiro Nacional)

A constituição brasileira de 1988, visando melhorar o ambiente econômico e financeiro do país, estabeleceu:

“O sistema financeiro nacional, estruturado de forma a promover o desenvolvimento equilibrado do País e a servir aos interesses da coletividade, em todas as partes que o compõem, abrangendo as cooperativas de crédito, será regulado por leis complementares que disporão, inclusive, sobre a participação do capital estrangeiro nas instituições que o integram.” – Art. 192 da Constituição Federal

Podemos usar o conceito comum de sistema financeiro como, conjunto de instituições e instrumentos financeiros que promovem a transferência de recursos superavitários de agentes (pessoas, empresas e governo) para os deficitários.

O SFN é composto de órgãos normativos, supervisores e operadores e, que são divididos em três segmentos: mercado financeiro, seguros privados e previdência fechada.

Órgãos Normativos

São os responsáveis por determinar as regras gerais para um bom funcionamento do Sistema Financeiro Nacional.

CMN – Conselho Monetário Nacional

A CMN cabe a formulação de toda política de moeda e crédito do país, com o objetivo de atender aos interesses econômicos e sociais da nação.

CNSP – Conselho Nacional de Seguros Privados

É o responsável por fixar as diretrizes e normas da política de seguros privados do país.

CNPC – Conselho Nacional de Previdência Complementar

O CNPC é o órgão com a função de regular o regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar.

Supervisores

Entidades que trabalham para que os cidadãos e os integrantes do sistema financeiro sigam as regras definidas pelos órgãos normativos.

BCB ou Bacen – Banco Central do Brasil

Responsável pelo controle da inflação no país, regulando a quantidade de moeda na economia permitindo a estabilidade de preços. Suas atividades também incluem a preocupação com a estabilidade financeira, através da regulamentação e supervisão das instituições financeiras. 

CVM – Comissão de Valores Mobiliários

Tem como propósito fiscalizar, normatizar, disciplinar e desenvolver o mercado de valores mobiliários no Brasil.

Susep – Superintendência de Seguros Privados

Responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro.

Fontes:

Inflação fica em 0,32% em janeiro, pressionada por alimentos e bebidas

Grupo de alimentos e bebidas pressiona e inflação acelera em relação a dezembro



De acordo com os números do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), compilados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação acelerou para 0,32% em janeiro, na comparação com dezembro do ano passado, quando ficou em 0,15%.

No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação está em 3,78%, o que representa um valor abaixo do centro da meta oficial do governo para o ano de 2019 que é de 4,25% com tolerância de 1,5% para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%).

O grupo de alimentos e bebidas, que subiu 0,90%, foi o principal fator que puxou a alta desse índice, enquanto que a gasolina, que caiu 2,41%, foi o que puxou esse índice para baixo e conseguiu conter a alta. Dentro do grupo alimentação, o impacto veio em maior parte pela alta do feijão carioca (19,76%), da cebola (10,21%), das frutas (5,45%) e das carnes (0,78%). Apesar dos combustíveis recuarem, o segmento de transportes avançou no primeiro mês do ano, após a deflação de 0,54% em dezembro. A maior contribuição para que esse grupo crescesse veio dos ônibus urbanos, que apresentaram alta de 2,67%.

Considerando apenas os meses de janeiro, foi a maior inflação desde 2017 (0,38%). No acumulado em 12 meses também foi o maior percentual desde 2017 (5,35%).

Mesmo com essa aceleração, o IPCA de janeiro ficou abaixo das expectativas dos analistas do mercado, que esperavam um IPCA de 0,38% para esse mês.

O mais recente Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central (BC) na última segunda-feira, aponta uma taxa de inflação em 3,94% para o acumulado do ano de 2019 (de janeiro a dezembro), abaixo do centro da meta estipulada pelo governo para este ano: 4,25%.


Janeiro tem volume histórico de saques da poupança

Segundo dados do Banco Central, janeiro de 2019 foi o 2º janeiro com maior volume de saques desde o início da série histórica (1995).

Todo início de ano é marcado por diversos custos extras, como IPTU e IPVA, que acabam justificando a necessidade de realizar saques dos valores investidos em cadernetas de poupança.

Apesar dessa retirada histórica, o volume investido em poupança nos últimos dois anos aumentou, ante à redução registrada nos anos de 2015 e 2016. Parte desse fenômeno é explicada pela retomada do crescimento econômico do país e, também, por ser um hábito do brasileiro buscar a caderneta de poupança para investir o seu dinheiro, mesmo tendo uma rentabilidade menor, se comparada com outras opções de investimento e, até mesmo, com a própria rentabilidade da poupança, que reduziu nos últimos anos junto com a diminuição da taxa básica de juros – Selic.

Essa variação positiva no volume investido nos últimos dois anos não representa uma mudança no hábito do brasileiro em relação a poupar e a investir dinheiro. Dados do Banco Mundial mostram que o percentual de brasileiros que guardam e investem dinheiro está muito atrás do percentual registrado nos países ricos, onde existe esse hábito.

E você, leitor? Poupa dinheiro regularmente? Investe em poupança? Qual é o seu hábito?

5 Livros para Educação Financeira em 2019

O maior passo que uma pessoa pode dar em direção a uma vida financeira saudável, é se educar. É preciso investir em conhecimento antes de investir no mundo do mercado de capitais.

Se você acha que a educação é cara, experimente a ignorância.

Derek Bok

1 – Pai Rico, Pai Pobre 20 anos, Robert T. Kiyosaki

Pai rico, pai pobre 20 anos, de Robert T. Kiyosaki
Pai rico, pai pobre 20 anos, de Robert T. Kiyosaki

Pai Rico Pai Pobre é, sem dúvidas, um dos maiores best-sellers de finanças pessoais do mundo.

A obra do autor Robert T. Kiyosaki, consegue levar o leitor a entender a grande diferença entre a maneira de pensar entre seus “dois pais”, usando de uma linguagem descomplicada e direta.

São lições que irão abrir sua mente para várias questões relacionadas a dinheiro.

2 – Os Segredos da Mente Milionária, T. Harv Eker

Os Segredos da Mente Milionária, de T. Harv Eker
Os Segredos da Mente Milionária, de T. Harv Eker

Já se perguntou por que trabalha tanto e nunca enriquece?

O autor T. Harv Eker, argumenta que a resposta está em como você moldou seu destino financeiro através de crenças alimentadas desde a infância.

Em seu livro Os Segredos da Mente Milionária, ele demonstra como remodelar sua mente em 17 passos para pensar como os ricos.

3 – Como Organizar Sua Vida Financeira, Gustavo Cerbasi

Como Organizar Sua Vida Financeira, de Gustavo Cerbasi
Como Organizar Sua Vida Financeira, de Gustavo Cerbasi

O autor brasileiro Gustavo Cerbasi, certamente é o mais conhecido no Brasil nas obras de finanças pessoais.

Este livro, Como Organizar Sua Vida Financeira, lhe mostrará que organizar a vida financeira não é complicado e requer apenas um esforço pessoal de disciplina e determinação.

4 – O Investidor Inteligente, Benjamin Graham

O Investidor Inteligente, Benjamin Graham
O Investidor Inteligente, Benjamin Graham

Um dos maiores consultores de investimento do século XX, Benjamin Graham estabeleceu o conceito de “valor de investimento”.

O Investidor Inteligente, nos mostra que devemos combinar educação financeira, conhecimento de mercado e, acima de tudo, uma visão de longo prazo para termos sucesso investindo.

5 – O Homem Mais Rico da Babilônia, George S. Clason

O Homem Mais Rico da Babilônia, George S. Clason
O Homem Mais Rico da Babilônia, George S. Clason

Com mais de 2 milhões de exemplares vendidos no mundo todo, O Homem Mais Rico da Babilônia é um clássico sobre como multiplicar riqueza e solucionar problemas financeiros.

Baseando-se nos segredos de sucesso dos antigos babilônicos, os habitantes da cidade mais rica e próspera de seu tempo, George S. Clason mostra soluções ao mesmo tempo sábias e muito atuais para evitar a falta de dinheiro.

Diferenças entre Letras de Crédito e Certificados de Recebíveis

Você já deve ter ouvido falar sobre esses dois tipos de investimentos, as Letras de Crédito e os Certificados de Recebíveis. Mas você sabe o que são, a finalidade e as diferenças entre eles? Nesse artigo iremos falar em mais detalhes sobre esses ativos.

O que são?

São títulos de renda fixa, compostos por empréstimos ao setor do agronegócio (LCA/CRA) ou imobiliário (LCI/CRI). Ou seja, essas aplicações tem como lastro os financiamento nela contidos.

O objetivo é captar dinheiro dos investidores através das instituições e repassá-lo às empresas de cada setor, para financiamento de suas operações.

As taxas pagas por essas aplicações podem ser pré ou pós-fixadas e, variam de acordo com cada título e emissor.

Letras de Crédito

Emitidos por instituições financeiras, são utilizados para captação de recursos que serão emprestados as empresas participantes.

Ao realizar uma aplicação em uma LCA (Letras de Crédito do Agronegócio), o banco repassa os fundos levantados a um agente do agronegócio. E, na LCI (Letras de Crédito Imobiliário), um agente do mercado imobiliário é receber do dinheiro.

Os bancos, por exemplo, levantam o capital com os investidores para poder emprestar aos agentes. Portanto, você está emprestando o dinheiro ao banco com a finalidade de investir em determinado setor.

Certificados de Recebíveis

Diferentemente das Letras, esses títulos são emitidos exclusivamente por securitizadoras, que reúnem os recebíveis de financiamentos entre agentes e terceiros.

As securitizadoras transformam os ativos em valores mobiliários para que possam ser comercializados livremente no mercado de capitais. Vale lembrar, que esses ativos são segregados do patrimônio da emissora.

Diferenças

As Letras diferem dos Certificados principalmente pelo risco, as primeiras são garantidas pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), enquanto as segundas não. Esse fator é importantíssimo para análise de exposição de sua carteira de ativos.

Todos os títulos estão isentos de IR (Imposto de Renda) para pessoa física. Os CRA/CRI e a LCA estão isentos de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

As LCA/LCI podem ser resgatadas diretamente com os emissores, após o período de carência. Já para os CRA/CRI, é preciso ir ao Mercado Secundário, ou seja, outro investidor deve estar interessado na compra desses títulos.

Conclusão

O investimento nesses títulos é uma boa opção para diversificação em renda fixa. Pois os rendimentos, em muitos casos ultrapassam outras aplicações de renda fixa que possuem incidência de IR.

Porém, não cometa o erro de comparar apenas rendimentos na escolha de ativos. Uma análise considerando o perfil do investidor e os riscos de cada opção devem ser feitas para uma melhor decisão.

Nova regra da LCA pode aumentar a rentabilidade

As taxas cobradas aos produtores rurais pelos bancos poderão ser mais altas, aumentando os rendimentos dos investidores

No último dia 31 de janeiro, o Conselho Monetário Nacional (CMN) algumas modificações nas LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio).

Atualmente, as instituições devem emprestar pelo menos 40% da alocação em LCAs à taxas que não ultrapassem os 8,5% ao ano. Essa regra foi extinta, liberando os bancos a emprestarem a qualquer taxa.

Essa alteração pode acarretar em um aumento do volume de captação, visto que os bancos terão margem maior, podendo repassar isso aos investidores para atraí-los.

O que é uma LCA?

São títulos de renda fixa emitidos por bancos que tem como lastro empréstimos feitos ao agronegócio, repassados aos investidores com taxas pré ou pós-fixada.

Uma grande vantagem desses títulos é a isenção de IR (Imposto de Renda) para investidores pessoa física. Outra, é a garantia dada pelo FGC para aplicações de até R$ 250 mil por instituição e CPF, dando mais seguranças aos investidores.

Riscos

Crédito

Caso o banco emissor se torne insolvente e/ou não pague o detentor da LCA. Lembrando, que este risco é em parte minimizado pela proteção do FGC.

Liquidez

O investidor deve sempre conferir a carência do título, que é a data a partir da qual é possível realizar o resgate (parcial ou total). Bem como, a data de vencimento, onde o resgate é feito de forma automática para a conta do investidor.

A carência mínima de uma LCA é de 90 dias e os vencimentos estão entre 1 e 3 anos.

Bancos Digitais – Filas Nunca Mais

Ir até uma agência física para abrir conta, sacar dinheiro, fazer pagamentos e transferências, dentre outras, são atividades comuns a correntistas dos bancos tradicionais.

Mas há uma turma que não gosta muito de ir até as agências (eu, incluso) e, que prefere muito mais a praticidade, o conforto e agilidade que a Internet proporciona. A popularização dos aparelhos de celular e dos aplicativos móveis, fez aumentar ainda mais o interesse dessas pessoas por soluções online.

Com isso, nos últimos anos, uma onda de fintechs surgiu para atender uma demanda cada vez mais crescente desse público.

O que é um banco digital?

Os bancos digitais são, em essência, iguais a qualquer banco comercial que conhecemos. Entretanto, eles não possuem agências físicas, todos os serviços prestados são através de canais que não exijam presença em uma agência.

É uma evolução natural, assim como foi o aparecimento dos caixas automáticos e em seguida o internet banking.

Esse novo modelo de negócios implantado por essas fintechs, é um ganha-ganha tanto para elas quanto para os clientes, já que ambos economizam tempo e dinheiro. Pois as taxas de serviços bancários são muito mais baratas ou até mesmo não existem em vários casos.

Como funciona uma conta digital?

Para ser cliente de um banco precisamos ir até uma de suas agências, munidos de toda documentação necessária para realizar a abertura de uma conta corrente.

Em uma conta digital é semelhante, o correntista envia os documentos digitalizados e/ou fotos para o banco iniciar todo o trâmite legal. Porém, tudo é feito por e-mail e/ou pelo aplicativo do celular, sem a necessidade de deslocamento até a agência.

Geralmente, o processo todo ocorre em poucos dias, muitas vezes em algumas horas.

Segurança

Uma preocupação recorrente dos indivíduos que pensam em fazer uma conta digital é a segurança. Afinal, ninguém quer ser vítima de um golpe e ter sua conta invadida e roubada.

Os bancos digitais, desde o começo, adotaram diversos mecanismos para garantir o pleno funcionamento e a confiabilidade dos recursos online. Muitos deles, exigem uma autenticação de dois fatores, formada pela senha e um código que é enviado por SMS ao celular do correntista.

NuConta do Nubank

Bastante conhecido pelo público mais jovem por seu cartão de crédito roxinho e por ser uma das primeiras fintechs do Brasil, o Nubank lançou sua conta digital no final de 2017.

Como no cartão, tudo é feito pelo aplicativo que muito é fácil de mexer e configurável.

As vantagens da NuConta são a ausência de taxas (exceto para saques), assim como no cartão de crédito. Para clientes que realizam muitas transferências isso traz uma economia considerável.

Outra é o fato de todo o dinheiro “parado” na conta ser automaticamente investido em título públicos. Apesar de não ser um rendimento alto é uma vantagem a mais. Você pode fazer uma simulação no site através desse link.

Dentre as desvantagens está a falta de vários recursos comuns a outros bancos. A NuConta ainda é muito nova, por isso, alguns serviços ainda estão em fases de teste, como a função débito e saques. As remessas de dinheiro para a conta só podem ser realizadas por transferências de outras instituições financeiras.

Ainda que com diversas limitações, a conta é uma boa opção e, o Nubank está a todo momento incluindo e melhorando os serviços e funcionalidades.

Banco Inter

O Banco Inter é o que mais cresce em contas digitais no país, fechando 2018 com mais de 1,45 milhão de correntistas.

Ele é isento de tarifas bancárias, possui praticamente tudo que um grande banco fornece de serviços. Os saques são realizados em toda a rede 24h, sem cobranças e, os depósitos podem ser realizados via transferência ou por boletos, o que facilita o envio de valores para a conta

Recentemente o banco disponibilizou uma plataforma para negociação de ativos na bolsa (Home Broker) sem corretagem.

A abertura de novas pode ser feita pelo site.

Banco Original

Com foco no nicho de mais alta renda, o Banco Original cobra uma tarifa mensal de R$ 9,90, podendo ser reduzida a zero caso o cliente possua mais que R$ 100 mil investidos na instituição.

Um diferencial oferecido pelo banco, é a ampla variedade de cartões de crédito com bastantes benefícios. Eles possuem anuidade, que também pode se tornar isenta, caso o valor do gasto mensal atinja determinadas faixas.

A abertura das contas é feita exclusivamente pelo aplicativo. Acesso este site para mais informações.

Next

O banco Next foi criado pelo Bradesco em 2017, numa tentativa de se inserir no mercado de contas digitais. Seu foco é voltado para o público mais jovem.

Há contas que possuem tarifas e também uma opção gratuita, o Next Na Faixa, que inclui a conta e um cartão Visa Internacional.

O aplicativo do Next possui um controle financeiro de gastos diferenciado, o Flow. Assim, o cliente consegue organizar e controlar seu dinheiro melhor.

Para solicitar a abertura de conta, acesso este site.

Neon

No mercado nacional desde 2015, o Neon passou a ofertar conta digital em 2016, sendo elas divididas em Neon e Neon+.

Ambas as contas cobram os saques na rede 24h, sendo que a Neon+ não possui algumas tarifas e, é ativada de acordo com o uso do cartão de crédito.

A solicitação de uma nova conta pode ser feita pelo site.

Agibank

Agibank é um banco que nasceu da antiga Agiplan. E, desde o começo se destaca pela inovação, pois foi a primeira instituição a utilizar o número de celular como número da conta corrente.

O banco não cobra tarifas da maioria dos serviços até determinada utilização.

Para abertura de contas, baixe o aplicativo no site.

Banco Modalmais

A Modalmais, uma corretora de valores bem conhecida no mercado de capitais, também entrou para o ramo de bancos digitais.

Uma das grandes vantagens é a facilidade em se investir a partir da conta corrente.

Para abrir a conta, basta ir ao site do banco.